• Liga Contra o Cancro está a recrutar voluntários para o Peditório Nacional

    Liga Contra o Cancro está a recrutar voluntários para o Peditório Nacional

  • Operação “Censos Sénior 2021” da GNR

    Operação “Censos Sénior 2021” da GNR

  • Rádio Douro Nacional...8 Anos!

    Rádio Douro Nacional...8 Anos!

  • Ângelo Moura sai da Câmara “de consciência tranquila”

    Ângelo Moura sai da Câmara “de consciência tranquila”

  • Francisco Lopes volta à Câmara de Lamego quatro anos depois

    Francisco Lopes volta à Câmara de Lamego quatro anos depois

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

Ângelo Moura sai da Câmara “de consciência tranquila”

O ainda presidente da Câmara de Lamego, Ângelo Moura, diz que sai “de consciência tranquila” da liderança da autarquia que liderou nos últimos quatro anos.

O cabeça de lista do PS era recandidato ao cargo, mas foi derrotado nas autárquicas de domingo (26 de setembro) por Francisco Lopes, eleito pela coligação PSD-CDS. O novo presidente já tinha liderado o município antes de Ângelo Moura assumir a presidência em 2017. O socialista admitiu que não estava a contar com uma derrota nestas eleições, mas defendeu o trabalho já feito como presidente da Câmara. “Foi inesperado o resultado. Foram quatro anos de muito trabalho, muita dedicação e com seriedade, honestidade e verdade em prol de Lamego e dos lamecenses”, disse. O autarca recordou que o seu executivo conseguiu equilibrar as finanças municipais e fazer com que a Câmara saísse “do excessivo endividamento em que nos encontrávamos em 2017”. “Resolvemos inúmeros processos judiciais de cobranças de dívida e obtivemos a situação regularizada perante as Finanças. Além disso, apoiámos as freguesias e as associações e lançámos um plano estratégico municipal de obras de regeneração e do apoio aos mais carenciados”, frisou. Ainda assim, acrescentou, “cerca de metade dos lamecenses entendeu não renovar essa confiança”. Perante o resultado, Ângelo Moura disse que o importante é respeitar a decisão dos eleitores e acrescentou que é também necessário “fazer valer a vontade de quem depositou em mim toda a confiança”. Para os próximos quatro anos, o atual presidente da Câmara estabeleceu como objetivo “defender Lamego dos desmandos em que pode cair de um projeto que tinha como título ‘Voltar’”. “Respeitaremos a vontade de Lamego e dos lamecenses, é assim em democracia, e estou de consciência tranquila, trabalho feito e vontade de o afirmar e defender”, acrescentou. Francisco Lopes, que já presidiu à Câmara de Lamego entre 2005 e 2017, vai voltar a sentar-se na cadeira de presidente sucedendo a Ângelo Moura. No concelho, a coligação PSD-CDS venceu as eleições com 45,28 por cento dos votos, tendo conseguido eleger quatro vereadores para a Câmara. Já o PS obteve 43,99 por cento, conseguindo três mandatos. O Chega teve 4,10 por cento dos votos enquanto a CDU obteve 2,52 por cento. A abstenção em Lamego foi de 35,14 por cento