• Aprovada proposta da Comissão Política Concelhia do PSD Lamego em apresentar Francisco Lopes como candidato à Câmara de Lamego

    Aprovada proposta da Comissão Política Concelhia do PSD Lamego em apresentar Francisco Lopes como candidato à Câmara de Lamego

  • Rádio Douro Nacional...8 Anos!

    Rádio Douro Nacional...8 Anos!

  • Autárquicas: Ângelo Moura é “decisão sem contestação” para Lamego

    Autárquicas: Ângelo Moura é “decisão sem contestação” para Lamego

  • Detido após discussão com familiares em Lamego

    Detido após discussão com familiares em Lamego

  • Homem encontrado morto num pinhal em Lamego

    Homem encontrado morto num pinhal em Lamego

  • Centro de apoio ao Serviço Nacional de Saúde de Lamego já fez mais de 1.200 chamadas

    Centro de apoio ao Serviço Nacional de Saúde de Lamego já fez mais de 1.200 chamadas

Segurança Social paga apoio do lay-off em duas tranches

Segurança Social só vai pagar em fevereiro apoio que garante que os trabalhadores em lay-off não sofrem cortes salariais, sem que isso signifique um encargo extra para os empregadores.

A Segurança Social vai pagar os apoios devidos às mais de 22 mil empresas que, por estarem encerradas por imposição legal, aderiram ao lay-off simplificado em janeiro. Os empregadores vão receber, contudo, uma transferência mais magra do que estavam à espera, já que o apoio adicional que garantirá que a eliminação dos cortes salariais não implica gastos extra por parte das empresas só chegará, afinal, em fevereiro. Lançado em março de 2020, o lay-off simplificado permite aos empregadores suspenderem os contratos de trabalho ou reduzirem os horários de trabalho, ao mesmo tempo que recebem um apoio para o pagamento dos salários e beneficiam da isenção total das contribuições sociais. Nesse regime — que desde julho está disponível, apenas, para as empresas encerradas por imposição legal ou administrativa –, os trabalhadores eram alvo de um corte salarial máximo de 33%, mas o Orçamento do Estado para 2021 veio mudar essas regras.

➡️ Lay-off simplificado regressa. É melhor que apoio à retoma?

Segundo já tinha anunciado o Governo e ficou fixado num decreto-lei publicado recentemente, a partir de 2021, os trabalhadores que sejam abrangidos pelo lay-off simplificado (tal como pelo apoio à retoma progressiva) têm direito a receber 100% do seu salário (até 1.995 euros), sem que isto tenha qualquer encargo extra para o empregador, ou seja, a Segurança Social passará agora a pagar um apoio maior para cobrir a eliminação desses cortes. Tal significa que os empregadores terão garantir os salários por inteiro, recebendo depois da Segurança Social não só o apoio a que já estavam acostumados — no caso da suspensão do contrato de trabalho, 70% de dois terços do salário –, mas também uma ajuda adicional. Numa nota agora divulgada, a Segurança Social indica, contudo, que afinal só o primeiro desses apoios já está a ser processado relativamente às empresas que aderiram ao lay-off simplificado em fevereiro — em causa está uma injeção de 20,3 milhões de euros em 22,7 mil empregadores. O segundo (o tal adicional) só chegará em fevereiro. “Em 2021, e ao abrigo do lay-off, a Segurança Social assegura o pagamento de um apoio adicional para garantir que os trabalhadores abrangidos por este regime recebem 100% da sua remuneração (até ao limite de 3 SMN). Esse apoio adicional será pago em fevereiro, com efeitos a janeiro“, lê-se na referida nota.

➡️ Apesar dos apoios, despedimentos coletivos duplicaram

Resultado: Este mês os empregadores em lay-off simplificado já tiveram de pagar os salários por inteiro, mas vão receber, por enquanto, apenas o apoio previsto quando ainda havia cortes salariais. Logo, vão ter que fazer maior esforço para cobrir as remunerações, ainda que, no próximo mês, recebam o montante em falta para garantir que não há acréscimo dos seus encargos. O Governo tinha dito que, no caso da suspensão do contrato de trabalho, os empregadores teriam à sua responsabilidade só cerca de 20% das remunerações por inteiro. Contudo, uma vez que o apoio adicional ainda não foi pago, esse esforço passou, por enquanto, para cerca de 53%. Ao ECO, a bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados explicou que o adicional só será pago em fevereiro, porque o sistema informático ainda não estava pronto para garantir o novo modelo de pagamentos e preferiu-se pagar o quanto antes a parte possível dos apoios, em vez de se adiarem os pagamentos para fazê-los por inteiro. Paula Franco reconhece que essa opção traz dificuldades aos empregadores, mas sublinha que é melhor receber já uma parte do apoio, a ficar sem receber. O presidente da Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo (APHORT) também frisa que esse desfasamento traz dificuldades. “É mais uma pedra do caminho”, diz António Condé Pinto, ao ECO. O responsável indica também que há empresas que irão tentar fazer um acordo com os trabalhadores, no sentido de só pagarem a diferença entre os salários cortados e os salários por inteiro, quando a Segurança Social transferir o adicional. “A tesouraria está muito seca”, sublinha o mesmo.