• Uma vítima mortal em atropelamento

    Uma vítima mortal em atropelamento

  • Rádio Douro Nacional...7 Anos !

    Rádio Douro Nacional...7 Anos !

  • Cemitérios abertos em Lamego mas com acesso condicionado no Dia de Todos os Santos

    Cemitérios abertos em Lamego mas com acesso condicionado no Dia de Todos os Santos

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

  • Município de Resende volta a baixar impostos

    Município de Resende volta a baixar impostos

CDS de Viseu nas mãos de Lamego

José Correia da Silva (José Pinto), vereador do CDS na Câmara de Lamego, é, para já, quem está à frente da Comissão Política Distrital do CDS. O “centrista” passou a ocupar o lugar depois da demissão do até então presidente, Francisco Mendes da Silva, que anunciou este fim de semana a sua decisão.

Já antes se tinham demitido vice-presidentes e vogais, entre eles Carlos Cunha que liderava a Comissão Política Concelhia, cargo que ocupava de forma interina. Este órgão partidário continua, por enquanto, com quórum e, de acordo com os estatutos, passa a ser dirigido pelo primeiro vice-presidente que não apresentou a demissão. Será agora José Correia da Silva a decidir se marca novas eleições ou se leva o mandato até ao fim. A direção liderada por Francisco Mendes da Silva foi eleita em novembro de 2019, sucedendo a Hélder Amaral que renunciou a todos os cargos políticos no partido, na sequência dos maus resultados do CDS nas últimas legislativas. Francisco Mendes da Silva, que se mantém como militante de base, disputou a liderança com Paulo Duarte. Na hora da saída, Mendes da Silva escreveu que o CDS vive um “momento extremamente difícil”. “Sinto entre os militantes um ambiente de grande desmotivação, desorientação e dúvida sobre o rumo do partido”, refere, salientando que face a este contexto “é indispensável que todas as estruturas participem de um espírito de união, que possam ser lideradas por quem entenda, confie e esteja alinhado com a estratégia nacional, e consiga mobilizar a militância em torno dessa estratégia. Disse que ficou “sem alternativa” após as demissões dos vice-presidentes Cristiano Coelho e Jorge Azevedo e dos vogais Carlos Cunha, Elvira Gaspar, Luis Alves e Francisco Neves “O que está a acontecer é uma coisa muito triste. Uma péssima imagem do partido do distrito”, lamentam alguns militantes.

Jornal do Centro