• Município de Tarouca cria equipa multidisciplinar para apoiar cidadãos em isolamento

    Município de Tarouca cria equipa multidisciplinar para apoiar cidadãos em isolamento

  • Covid-19 atinge Bombeiros de Moimenta da Beira

    Covid-19 atinge Bombeiros de Moimenta da Beira

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

  • Proibido circular entre concelhos no continente a partir das 20:00 e até segunda

    Proibido circular entre concelhos no continente a partir das 20:00 e até segunda

  • Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

    Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

  • Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

    Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

CDS de Viseu nas mãos de Lamego

José Correia da Silva (José Pinto), vereador do CDS na Câmara de Lamego, é, para já, quem está à frente da Comissão Política Distrital do CDS. O “centrista” passou a ocupar o lugar depois da demissão do até então presidente, Francisco Mendes da Silva, que anunciou este fim de semana a sua decisão.

Já antes se tinham demitido vice-presidentes e vogais, entre eles Carlos Cunha que liderava a Comissão Política Concelhia, cargo que ocupava de forma interina. Este órgão partidário continua, por enquanto, com quórum e, de acordo com os estatutos, passa a ser dirigido pelo primeiro vice-presidente que não apresentou a demissão. Será agora José Correia da Silva a decidir se marca novas eleições ou se leva o mandato até ao fim. A direção liderada por Francisco Mendes da Silva foi eleita em novembro de 2019, sucedendo a Hélder Amaral que renunciou a todos os cargos políticos no partido, na sequência dos maus resultados do CDS nas últimas legislativas. Francisco Mendes da Silva, que se mantém como militante de base, disputou a liderança com Paulo Duarte. Na hora da saída, Mendes da Silva escreveu que o CDS vive um “momento extremamente difícil”. “Sinto entre os militantes um ambiente de grande desmotivação, desorientação e dúvida sobre o rumo do partido”, refere, salientando que face a este contexto “é indispensável que todas as estruturas participem de um espírito de união, que possam ser lideradas por quem entenda, confie e esteja alinhado com a estratégia nacional, e consiga mobilizar a militância em torno dessa estratégia. Disse que ficou “sem alternativa” após as demissões dos vice-presidentes Cristiano Coelho e Jorge Azevedo e dos vogais Carlos Cunha, Elvira Gaspar, Luis Alves e Francisco Neves “O que está a acontecer é uma coisa muito triste. Uma péssima imagem do partido do distrito”, lamentam alguns militantes.

Jornal do Centro