• Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

    Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

  • Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

    Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

  • Associação de produtores pede eleições na Casa do Douro

    Associação de produtores pede eleições na Casa do Douro

  • Tomada de posse dos novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lamego

    Tomada de posse dos novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lamego

  • António Costa admite novo confinamento total

    António Costa admite novo confinamento total

Homem envolvido em fraude do Centro de Emprego de Lamego capturado pela GNR

Um homem de 45 anos, que esteve envolvido num esquema fraudulento que envolveu o Centro de Emprego de Lamego, foi capturado pela GNR, depois de ter sido emitido um mandado de detenção para cumprir uma pena de cinco anos e meio de prisão. Fonte da força policial disse à agência Lusa que o detido foi condenado em 2016, pelo Tribunal de Penafiel, no distrito do Porto, num megaprocesso relativo a uma fraude nos centros de emprego de Lamego e Penafiel, que lesou o Estado em mais de quatro milhões de euros.

O homem, que era responsável por angariar pessoas e empresas como promotores das candidaturas aos fundos estatais, foi ainda condenado a pagar 2,1 milhões de euros ao Estado. O esquema fraudulento, que teve como principal arguido um técnico superior dos centros de emprego de Lamego e Penafiel que foi condenado a 10 anos de prisão, funcionou entre 2001 e 2008. Em causa estava a aprovação de candidaturas no âmbito do programa ILE - Iniciativas Locais de Emprego, apresentadas por empresas de fachada ou por empresas coniventes, sem que fossem observados os requisitos legais necessários. Segundo um comunicado da GNR, o homem foi detido pelo Núcleo de Investigação Criminal de Felgueiras na terça-feira (28 de abril), em Ovar (distrito de Aveiro), tendo sido entregue ao Estabelecimento Prisional do Porto. “Por ter sido emitido um mandado de detenção para cumprimento de pena de prisão, os militares, após terem descoberto o paradeiro do suspeito, deram cumprimento a esse mandado e detiveram-no num apartamento no qual se manteve enclausurado e afastado dos familiares, durante nove meses”, refere a mesma nota.

Lusa