• Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

    Bombeiros ajudam menina a nascer em casa

  • Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

    Portugal volta ao confinamento. Conheça as novas regras

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

  • Associação de produtores pede eleições na Casa do Douro

    Associação de produtores pede eleições na Casa do Douro

  • Tomada de posse dos novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lamego

    Tomada de posse dos novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lamego

  • António Costa admite novo confinamento total

    António Costa admite novo confinamento total

Portagens mais baratas na A25 e na A24 a partir de julho

Os utilizadores mais frequentes das antigas autoestradas SCUT, incluindo a A25 e a A24 (que servem o distrito de Viseu), podem ter descontos até 40 por cento a partir deste próximo verão, no mês de julho.

Os descontos para as classes 1 e 2 vão variar conforme a utilização todos os meses. Nos primeiros seis dias, os automobilistas pagam as portagens na totalidade. Entre o 7.º e o 15.º dia, o desconto é de 20 por cento. A partir daí, a redução é de 40 por cento. Quem usa a autoestradas 22 dias por mês tem um desconto médio de 20 por cento, numa redução que abrange residentes, trabalhadores e visitantes frequentes das zonas atravessas pelas vias. Para os veículos pesados, também vai haver um novo sistema de descontos, com o transporte de passageiros a beneficiar da redução já aplicada às mercadorias: 35 por cento no caso de a viagem ser feita durante o de dia. O preço fica ainda 55 por cento mais baixo se a deslocação for feita durante a noite. Para aproveitar, basta ter apenas um identificador eletrónico, em vez de uma certificação do Instituto da Mobilidade dos Transportes. Estes novos descontos nas autoestradas estão incluídos num pacote de propostas para o interior, que vão ser aprovadas esta quinta-feira (27 de fevereiro) em Conselho de Ministros. A redução nas portagens vai custar mais de 100 milhões de euros aos cofres do Estado.