• Resolução que limita deslocações permite declarações de honra e ida a espetáculos

    Resolução que limita deslocações permite declarações de honra e ida a espetáculos

  • Rádio Douro Nacional...7 Anos !

    Rádio Douro Nacional...7 Anos !

  • Uma vítima mortal em atropelamento

    Uma vítima mortal em atropelamento

  • Rádio Douro Nacional - Lamego

    Rádio Douro Nacional - Lamego

  • Cemitérios abertos em Lamego mas com acesso condicionado no Dia de Todos os Santos

    Cemitérios abertos em Lamego mas com acesso condicionado no Dia de Todos os Santos

"FIM DAS PORTAGENS NA A24 DEVE SER PRIORIDADE NACIONAL"

A Comissão Coordenadora Distrital e o Núcleo Douro-Sul do Bloco de Esquerda entendem que a abolição de portagens nas ex-SCUT e particularmente na A24 deve ser considerada uma prioridade nacional. Ligando Chaves a Viseu, a A24 constitui-se como um eixo estruturante do Interior Norte, e uma via rodoviária imprescindível para milhares de utentes que têm de se deslocar todos os dias para trabalhar, cumprir obrigações legais e até para aceder a cuidados de saúde em Vila Real, devido à falta de especialistas e valências nos hospitais de ambulatório do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

PREÇO DAS PORTAGENS É AFRONTA À ECONOMIA REGIONAL

“Em preço por quilómetro, a A24 tem hoje das portagens mais caras do país” O fim do regime SCUT e a introdução de portagens em dezembro de 2011 abalou fortemente a economia regional e o orçamento familiar das populações. A isto acresce o facto de a A24 ter hoje em portagens um dos custos por quilómetro mais caros do país. Em 162 km, apenas 42 são gratuitos e 120 são pagos com recurso ao sistema eletrónico de portagens. Para além dos custos, também o serviço prestado pelas concessionárias tem vindo a piorar sucessivamente. A falta de manutenção em alguns troços e sobretudo a falta de iluminação nas vias de acesso são disso exemplo e espelham o que de pior se faz no “jogo do empurra” entre governo e concessionárias.

AUSÊNCIA DE ALTERNATIVAS VIÁVEIS

“Sabemos que o Sr. Primeiro-Ministro nutre um especial apreço pela EN2 mas decerto não a utilizaria nas suas deslocações diárias.” A partir de Lisboa, tem-se invocado como alternativa a Estrada Nacional número 2 (EN2). Ora quem conhece a estrada sabe que tal não passa de um absurdo, seja pelo seu traçado sinuoso e até por questões de segurança, relacionadas com as características da via e a sua degradação. Acresce ainda o facto de muitas destas obras preventivas e de manutenção poderem vir a estar comprometidas se o Governo do Partido Socialista prosseguir com a sua lógica de "descentralização" e atribuir estas competências para as autarquias, sem que haja uma transferência de verbas adequada.

GOVERNO É ESPECIALISTA EM TAPAR O SOL COM A PENEIRA

“Nem quando o pior acontece o Governo nunca reconhece os problemas” Uma das situações que espelha bem a falta de condições na EN2 é precisamente a circunstância de se encontrar neste momento cortada desde 19 de dezembro entre Mós e Ponte Pedrinha devido a um desabamento de terras que vitimou um funcionário camarário que se encontrava a manobrar uma máquina. Desde então e na ausência desta “alternativa” os condutores são obrigados a entrar na A24 e pagar uma portagem de 0,75€. O Governo começou por nada fazer e depois, a muito custo, lá acabou por fazer o que está legalmente previsto e que seria no mínimo, aceitável e razoável nesta circunstância: isentar os utentes do pagamento da portagem no pórtico de Carvalhal relativo ao troço onde a EN2 se encontra cortada. Esta isenção tem vindo a ser anunciada com pompa e circunstância e o Secretário de Estado das Infraestruturas esteve de visita a Castro Daire. Sobre esta questão, entendemos que o Governo não está a ter a postura mais adequada por três ordens de razão: Resposta Tardia - os utentes estão há mais de um mês, sem alternativas, a pagar uma portagem que não lhes deveria ser devida e só fruto de muita pressão mediática é que foi tomada uma posição; Falta de Esclarecimento - a garantia é de isenção “apenas para as pessoas que fazem a autoestrada como desvio à EN2”, o que já de si é risível mas o mais gravoso é não se esclarecer em que moldes é que tal vai suceder; Despreocupação - desta situação trágica e do facto de a EN2 estar cortada é obrigação do governo não só responder rápida e eficazmente ao problema imediato das populações mas também olhar para o estado da infraestrutura e reconhecer que é manifestamente irresponsável que, pelo preço das portagens se esteja a colocar em causa a segurança de tanta gente que, por motivos económicos, evita a A24. PARA A A24 NEM DESCONTOS HÁ? “Neste momento não temos conhecimento que o Governo esteja a ponderar qualquer desconto nas portagens da A24” A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, diz estar a trabalhar numa proposta que visa descontos nas portagens do interior, apenas em alguns dias da semana e eventualmente sob determinadas condições. Não querendo discutir uma proposta que ainda não está oficialmente fechada e anunciada, gostaríamos apenas de deixar bem claro o seguinte: O Bloco de Esquerda luta e lutará pela reposição do modelo Sem Custos para o Utilizador (SCUT), com especial consideração pelas auto-estradas do interior e dos territórios com baixa densidade. Tem também denunciado diversas práticas, procedimentos e modelos relativos às concessões em vigor por entender lesivas e para o erário público e para o interesse nacional. Considera-se portanto que, tal como na situação da isenção de cobrança de portagem no pórtico de Castro-Daire / Carvalhal, esta feira de “descontos” é tão e somente atirar areia para os olhos das populações porque não responde integralmente aos problemas que se fazem sentir nestes concelhos e não ajuda nada a essa coesão territorial de que tanto se fala (e que agora até tem uma pasta ministerial). Ainda assim, e considerando em boa-fé que a medida iria pelo menos “suavizar” constrangimentos, temos a registar, com perplexidade e preocupação, que da informação que tem vindo a público, nada consta sobre a A24 poder vir a beneficiar desta medida.

O Núcleo do Douro Sul do Bloco de Esquerda

A Comissão Coordenadora Distrital de Viseu do Bloco de Esquerda